Biden e Trump iniciam disputa por importante trunfo das eleições nos EUA: o Estado da Geórgia

Em 2020, o democrata venceu no Estado pela margem estreita de 11 mil votos. Do outro lado, o republicano enfrenta acusações criminais por ter tentado interferir na contagem de votos. Eleição presidencial nos EUA terá reedição de confronto entre Joe Biden e Donald Trump
O presidente Joe Biden e o candidato presidencial republicano Donald Trump fazem neste sábado (9) campanha no crítico Estado da Geórgia, no que será essencialmente o primeiro confronto direto das eleições gerais de 2024.
Pode não haver uma arena mais disputada do que a Geórgia nas eleições gerais de 5 de novembro, Estado que pendeu para Biden nas eleições de 2020 e foi palco de falsas alegações de Trump de que teria sido vítima de fraude eleitoral generalizada. Ele também enfrenta acusações criminais no Estado por suas tentativas de interferir na contagem dos votos lá.
Atualização dos candidatos
Trump deve conquistar a indicação oficial de seu partido na terça-feira (12), quando a Geórgia, o Havaí, o Mississipi e o Estado de Washington realizarão primárias.
Na quinta-feira (7), Biden fez seu discurso do Estado da União carregado de críticas a Trump, acusando-o de ameaçar a democracia, de se curvar à Rússia e de boicotar a reforma do sistema migratório.
O presidente, no entanto, continua enfrentando reação negativa dos democratas pelo seu firme apoio a Israel na guerra contra o Hamas em Gaza, descontentamento que poderá se ver manifestado nas primárias da Geórgia, na terça-feira.
Uma coligação de grupos multirreligiosos e multirraciais na Geórgia lançou uma campanha pedindo que os eleitores deixem as cédulas em branco em vez de votarem em Biden na terça-feira, na esperança de enviar uma mensagem à Casa Branca para reconsiderar o apoio dos EUA a Israel.
Nas primárias de Michigan, em fevereiro, mais de 100.000 pessoas votaram como “descomprometidos” em vez de apoiarem Biden em protesto por Gaza e uma proporção semelhante de eleitores fez a mesma escolha nas primárias de Minnesota realizadas na última terça-feira. Essas ações ampliaram a preocupação entre os democratas de que alguns eleitores possam optar por ficar em casa em novembro.
“Biden pode não vencer (na Geórgia) novamente se os eleitores jovens, os eleitores negros, os eleitores muçulmanos, os eleitores árabes-americanos, os eleitores judeus e outros que o apoiaram da última vez decidirem ficar em casa ou decidirem votar num terceiro candidato”, disse Edward Ahmed Mitchell, porta-voz da Coalizão Ouça a Geórgia.
Mitchell disse que o objetivo da campanha é se aproximar da margem – cerca de 11.000 votos – com a qual Biden venceu no Estado, e assim mostrar o risco que eles acreditam que o presidente está assumindo na guerra em Gaza.
Biden e Trump lideram com folga as prévias eleitorais nos Estados Unidos
No sábado à noite, Trump fará um comício em Rome, na Geórgia, um bastião conservador do Estado que se situa no distrito da deputada Marjorie Taylor Greene, uma aliada assumida.
Biden, por seu lado, deve realizar um evento noturno na região de Atlanta. Os subúrbios da cidade, que estão crescendo e diversificando-se rapidamente, são vistos como a chave para as esperanças democratas no Estado.

You May Also Like

More From Author

+ There are no comments

Add yours